domingo, 16 de janeiro de 2011

O SENTIMENTALISTA DENGOSO

Falar sobre os 7 anões gerou polêmica, um tema extravagante e a princípio desinteressante. Vendo o filme hoje, com um olhar adulto, identificamos alguns simbolismos e conseguimos analisar a personalidade das personagens e o que elas representam.

O anão DENGOSO nos remete ao emocional, sua personalidade dava margem à inúmeras possibilidades de idéias simpáticas e engraçadas, a timidez, o nervosismo, a carência, apesar da vergonha topava qualquer parada. Mais do que tímido, o Dengoso é um invariável (e esperançoso) sentimentalista... lamentando que "acabou o açúcar" como se tivesse perdido um querido amigo. Estamos cercados de pessoas com essas características. Ele não precisa de uma razão elaborada para ser dengoso - ele simplesmente é. Por outro lado, sua timidez e acanhamento faz com que perca  “o alvo” por medo de encarar diretamente os olhos dos outros.  
Quantas pessoas do nosso convívio também reagem assim. Mas não se desesperem, tem até floral de Bach para essas características, o Floral Mimulus. Este floral faz com que a pessoa enfrente o medo e não fique nervosa quando está diante de outras pessoas. Consulte seu terapeuta (risos). Dengoso, dentro de outra teoria, representa a beleza de Vênus.

Curiosidades sobre o filme:
- Foi exibido na época da Grande Depressão, o que fez com que a platéia estabelecesse um profundo elo emocional com ''Branca de Neve''. Desemprego total, economia em crise, uma época excelente para disseminar ilusões e ser sucesso de bilheteria.
- Na transição do livro para o filme ocorreram diversas mudanças, como por exemplo, o final da história: no livro ela regurgita a maçã após derrubarem seu esquife. Na versão Disney, o encanto poderia ser quebrado apenas pelo primeiro beijo de amor. Olha que estrago isso causou no imaginário popular, espera pelo príncipe, voltar a viver (dar sentido a vida) após o beijo da pessoa amada e por aí vai.

Alguns Simbolismos:
Branca de Neve: aspecto ingênuo e isento de malícia ou interesses
Sete anões: desdobramentos da nossa personalidade
Príncipe:  busca da perfeição, seu outro lado, o que nos completa
Madrasta: nosso lado sombrio, os boicotes que tramamos para nós mesmos
Espelho: é a nossa consciência, que reflete o que somos
Maçã:  nossas tentações

Muito interessante é a interpretação de Márcia Tiburi (Filósofa) sobre a Branca de Neve, sou fã dessa moça.

Ela aceita o que lhe dão. O narcisismo barato como uma mercadoria. Para não trair seu espelho. Para que ele não lhe diga a verdade. Ela aceita o fruto, o resultado. Ela a Bela a Pobrezinha a Servil a Passiva a Tonta a Sonsa. A inconseqüente paga o preço de sua burrice. Não sendo capaz de resistir à maçã. Esquecida do seu destino de Adão de saias. Ela é expulsa do paraíso. Perdeu sua inocência. E pagou com a morte. Uma morte simbólica muito especial. E aqui termina a nossa historia. Cada um tem sua maçã envenenada. Fruto da árvore do conhecimento. Do Bem e do Mal. É por ela que se morre como o espelho de narciso.

Não foi fácil falar de anões e trazer novas perspectivas sobre o filme. Dedico esse post a minha sábia amiga Julie, que deve estar lá na Espanha, se contorcendo de rir, mais do que o FELIZ.
Alexandre Malosti

2 comentários:

Alexandre disse...

http://alexandrefilo.blogspot.com/

seja um seguidor no meu blog. abraços

Alexandre Malosti disse...

Pode deixar.. estarei seguindo.. curto muito filosofia.... quero ver como vc se porta nos textos.. até onde vai sua crítica em relação ao mundo que vivemos... Abraços.