domingo, 6 de fevereiro de 2011

A MINHA, A SUA, A NOSSA SENSAÇÃO DE VAZIO

Sensação de vazio, como pode?
Será apenas insatisfação?
Insatisfação de que?
Por que aceitamos essa idéia que temos que preencher nosso tempo com atividades incessantes, trabalho, cursos, obrigações, até o prazer perdeu seu sentido e transformou-se em alvo de cobrança, temos que nos divertir, ser felizes, plenos, bem sucedidos. Sentimentos que deveriam ser naturais, internos e espontâneos, viraram um modo certinho e correto de se viver. E todos estão de olho, prontos para cobrar, para questionar, é o policiamento do SER FELIZ.

A felicidade tomou forma e é definida por padrões de consumo, de beleza, de crenças, etc. E nossas dores, nossos desamores, nossas desilusões, nossas diferenças, elas não podem ser ignoradas, elas existem, estão ai e fazem parte de nosso crescimento e amadurecimento.
Culturalmente somos inseridos nesse modo de pensar, de viver, traçamos metas, estudamos, trabalhamos, nos relacionamos, buscamos bens materiais, imateriais, a ditadura da auto-ajuda e da espiritualidade é vendida em prateleiras. E mesmo assim, buscando tudo isso, conseguindo tudo isso, de repente quando nos descuidamos e nos desligamos de tudo, a sensação do vazio entra sem bater e nos consome com perguntas e questionamentos, o nada toma conta. Na verdade não é a sensação que nos consome, mas sim nossa falta de resposta a ela. Não sabemos mais nem como lidar com o ócio criativo, nem pensar, temos que nos ocupar de algo.

Muitos vão dizer que é falta de amor, falta de Deus, falta de objetivo, enfim, muitas desculpas serão dadas, mas esses muitos se esquecem que executivos bem sucedidos, religiosos, amantes também são acometidos dessa mesma sensação. Então o que seria isso, quais seriam seus motivos, por que ela existe?
Não tenho essa resposta, pergunto se uma minhoca sente vazio, se um cachorro sente vazio, se uma planta sente vazio.
Será que só os “racionais” tem o privilégio dessa sensação? Será a sensação do vazio fruto de nossa racionalidade?
Espero respostas de vocês leitores.
E ainda achamos pontos positivos relacionados a essa sensação de vazio. Quando passamos por ela, normalmente nos sentimos impulsionados a buscar algo novo, que não temos e novamente o círculo vicioso da busca eterna recomeça até a próxima sensação de vazio chegar. Até que ponto todas essas buscas nos fazem sentido?
Que sensação é essa?
Que vazio é esse?
Vazio de que?
Algo está nos faltando, se nos sentimos vazios é porque já fomos cheios.
Cheios de que?
Alexandre Malosti

4 comentários:

Karina Lapido disse...

Já me perguntaram muitas vezes se eu "estou" feliz. Minha resposta é sempre a mesma: eu "sou" feliz. Em alguns momentos, eu estou mais contente ou menos contente. Se não fosse feliz, não saberia reconhecer a diferença desses momentos. Provavelmente, esses momentos de “descontentamento” são os vazios a que você se refere. Tentando responder sua pergunta, o "vazio" talvez seja saudade de alguma coisa que já vivemos e que, por algum motivo, não faz parte mais de nós.

Alexandre Malosti disse...

Verdade Karina, eu não relaciono o vazio a ser infeliz, e sim a um momento específico, uma sensação específica, mas que nos causa danos e angustias. Também acho que pode ser algo que já vivemos. Mas ainda continua a pergunta. O que já vivemos e que nos faz falta? Se fosse algo fácil de identificar como um amor, bens etc, mas não é isso. Beijos e obrigado pelo comentário.

Meyre Lapido de Mattos disse...

Alexandre
Quando acordamos para a vida(qdo sentimos necessidade de evoluir) percebemos que nossa sensação de vazio vem do não conhecimento. Não sabemos porque estamos aqui e por que inexoravelmente teremos que ir embora. Não sabemos por que as coisa nos acontecem. E por que algumas coisas eo invés de outras. E embora em meio de tantos desconhecimentos, queremos muito acertar, queremos saber reagir de uma maneira que essas coisas aparentemente aleatórias se transformem em fonte de felicidade para nos. Mas ao enfrentarmos uma nova experiencia de vida,percebemos assustados que não temos dela nenhuma experiencia anterior capaz de nos ajudar em nosso esforço de acerto. E se nos sentimos vazios, não é porque já fomos cheios mas sim, porque estamos cheios de "questionamento"

Alexandre Malosti disse...

Exato Meyre, cheios de questionamentos. Mas você deve concordar comigo, se utilizamos o termo vazio é porque já fomos anteriormente cheios... senão, não saberiamos que estamos vazios. Concordo com você nessa busca do acertar, de novos caminhos, de evolução, etc. Mas o que me pergunto se esse vazio não seria fruto dessa exigência absurda que a sociedade faz com as pessoas, dessas "virtudes" exageradas que nos são exigidas atualmente. Será que por exemplo um indio, ou sertanejo, ou um aborigene, que vivem fora desse sistema também sentem esse mesmo vazio? Sérá que é intrinseco do ser humano sentir esse vazio.. Muitas questões são levantadas para tentar explicar, mais confusão ainda... Mas isso é bom, nos faz pensar e refletir. Beijo grande e obrigado pelo comentário.