domingo, 17 de julho de 2011

MANADAS


Manadas vagam livres pelos campos
Manadas também são aprisionadas
Manadas deixam se aprisionar
Dezenas, centenas, milhares e até milhões

Cabeças conduzidas, mentes persuadidas
Não conseguem ser donas de si mesmas
Não se apoderam, nem se apossam de sua própria liberdade
Facilmente seduzidas, inacreditavelmente enganadas

Vagando por entre pastos ricos de infinitas possibilidades
Preferem pastar de cabeças baixas
O comodismo impede que olhem para cima
Movimentos lineares de submissão

A segurança da manada é confiada a um ou mais líderes
Precisam acreditar, precisam ser guiadas
Manadas de liderados, bandos de alienados
Manadas de subjugados

Manadas comem e reproduzem
Instintos de sobrevivência
Alimentadas por ideologias, dogmas e mentiras baratas
Inanição de conhecimento e discernimento

Por sorte
Manadas também tem desgarrados
Animais loucos, sonhadores e estranhos
Os desgarrados podem trazer ao restante das manadas
Possibilidades mais férteis, mais consistentes

Desgarrados tem a oportunidade de escolhas
Novas perspectivas para o restante das manadas

Paradigma para os membros das manadas
Continuar ou não pastando de cabeças baixas

Manadas tem sua força na quantidade
Desgarrados fazem a diferença pela qualidade
Desgarrados nem sempre são compreendidos
Os chamam de perdidos e até os levam para o abate

Pobre das manadas
Um louco a menos
Para despertá-las desse pesadelo de insanidades

Alexandre Malosti

8 comentários:

GUEDES disse...

Nossa!!!! D+!

Alexandre Malosti disse...

Obrigado meu irmão da poesia... Abraços....

Lucimara Fernandes disse...

Oi Ale!
Adorei este poema! Muito apropriado ao momento que estamos vivendo! Felizes somos nós por sermos "desgarrados", mesmo que muitas vezes, incompreendidos... rs. Parabéns!
Beijos.

Alexandre Malosti disse...

Verdade Lu.. temos que sair desse esquema que querem que fiquemos... basta despertar... a vida é muito mais do que isso que apresentam.... Beijos e obrigado

Alexandre Malosti disse...

Hoje me senti mais manada que nunca.... em um ato covarde, não dei apoio aos desgarrados que fazem parte da minha manada diária. Desgarrados que sempre vi como manadas.... tive uma lição, me sinto envergonhado. Fraco. Parabéns a todos os desgarrados que me deram uma lição de vida hoje.

tangram ana paula disse...

Ainda há tempo de se juntar aos desgarrados...a luta é constante! Amanhã é um novo dia! parabéns pelo poema...lindo e inspirador. Uma grande reflexão para nossas vidas. Bjs

Alexandre Malosti disse...

Obrigado Ana .... ser coerente é tudo.... mesmo que paguemos caro por isso.... manter-se covarde vai me corroer... Beijos

Laércio Antunes disse...

Quase não tenho palavras com referência ao poema. Com poucas palavras o poema nos revela o valor dos "desgarrados". Quem são? Os poetas, os músicos, os escritores e os mártires, que estão sempre ao nosso lado, e não os percebemos; muitas vezes também por um certo comodismo.
Parabéns.