domingo, 9 de outubro de 2011

PÍLULAS DE ILUSÕES E ESPERANÇA













A angústia...
Por vezes toma conta da gente
Sinto-me sem vontade, sem desejo, deslocado
Alienígena em meu mundo
Não vejo sentido nas coisas, nas pessoas
Minha incapacidade de me sentir feliz
Não me iludo com facilidade
Esfrego em meu rosto a dureza da realidade
Bens materiais me atraem, mas depois que os tenho
Desinteresso-me com rapidez
O amor talvez não me faça mais feliz
Como posso fazer o outro feliz se não faço a mim mesmo
Compartilhar de dois, de ilusões
Busca da felicidade, ilusão insana
Para que optar por essa realidade dura?
Talvez seja melhor dizer-se feliz
Dormindo o sono dos inconscientes
Multidão de felizes perambulando anestesiados pelas ruas
Letargicamente felizes
Podem ter razão, questionar para que?
Melhor viver de pequenas alegrias e pequenas dores
Ignorando as “grandes dores”
E para que senti-las? O que irá mudar?
Diante da minha pequenez, isso só me contamina
Preciso de pílulas de ilusões e de esperança
Mesmo que sejam genéricas
Placebos que nos enganam, nos mantém vivos
Que nos fazem menos críticos
E mesmo enganados, provavelmente mais felizes

Alexandre Malosti

6 comentários:

Guedes disse...

Uh!!!! D+!!!! Tô assim tbm!
Tô chegando ein!
Abção

Alexandre Malosti disse...

isso ai poeta ..... chega com tudo ... abraço

Paola disse...

Linda Alexandre!! Bem do jeito que eu gosto kkk

Alexandre Malosti disse...

Paola obrigado.... mas acho que estamos muito sinistros... realistas demais.... amargos... sem crer no outro, na sociedade.... MAS FAZER O QUE .... essa é a sensação que tenho nesse agora.... quem sabe amanhã acordo diferente. kkkk beijos

André Bianc disse...

Caro amigo(sumido). Você tem se revelado um poeta, e dos bons. Gosto muito do seu estilo cortante, sutil como um corte de navalha, profundo, no ato indolor, mas depois......Gostei da poesia, principalmente da pergunta? O que irá mudar? Refletir sobre nesta, me dá um grande desalento, vontade de nada fazer, vontade de desistir, vontade de não ter vontade. Tenho a impressão que quanto mais faço, menos construo. Vamos vivendo de fantasia, enquanto aguardamos o segundo final.Parabéns! Abraços saudosos e poéticos.

Alexandre Malosti disse...

É meu querido André também sinto isso as vezes.. mas ao mesmo tempo que me coloco como um pessimista, que não acredita... vira e mexe estou sendo movido por ideais, projetos.... um bocado de ilusões... mas com um sentimento verdadeiro e ingênuo acreditando mesmo depois do que foi dito na poesia, que ainda é possivel fazer algo, construir algo melhor.... Enfim, já que é tudo a mesma merda, ou seja, ILUSÕES.... vou me agarrar a essas que me dão a sensação de estar melhorando como ser humano... e com todo respeito FODA-SE O RESTO. kkk Abraços e saudades... te esperamos na peça do Bertholli.. foi bem legal...