domingo, 13 de novembro de 2011

O AMOR QUE QUERO


Não quero um amor modelado dentro de formas
Quero um amor modelado à mão
Perfeito na sua imperfeição
Autêntico em seus traços, texturas e até rachaduras

O amor que quero não exige perfeição

Não quero um amor embalado pelo canto que agoniza na gaiola
Quero um amor celebrado pelo bater das asas da liberdade
Livre que aceita e admite escolhas

O amor que quero não vinga em prisão

Não quero um amor enganado para suprir carências
Quero um amor que enriqueça minha existência
Aquele que agrega, que partilha, que liberta

O amor que quero não é alimentado por aparências

O amor
Esse que quero
Utopia com uma pitada de sanidade

Alexandre Malosti

10 comentários:

Estante Velha disse...

"O amor que quero não vinga em prisão" ele as constrói....brincadeirinha.
Belo poema Mallosti! Engraçado que ele conversa com aquele bate papo que tivemos nos Facebook.
Parabéns.

Lucimara Fernandes disse...

Uauuuu... Ale, você, às vezes, me surpreende!!! Te ver falando de amor e utopia... Adorei!!! rs.
Parabéns pelo poema! Lindo!
Beijos

MÁRCIO VACCARI disse...

O amor pode demorar pra bater, mas quando bate... É FODA!!! Grande abraço, meu irmão!!

Alexandre Malosti disse...

Grande Rafael... também acho que os amantes as constroi, a prisão... Quanto ao poema, será que isso que escrevi é poema??? deixo a pergunta.... será que eu não poderia ter sido menos óbvio para falar disso, usando outras palavras, etc.... E conversa mesmo com a discussão do face... esse texto escrevi antes das observações a respeito do que é poesia etc.... Nesse não irei mexer, está enxuto, óbvio... mas simpático kkkkkkkkkkkkkkkkk... Grande abraço Rafael e obrigado pelo comentário

Alexandre Malosti disse...

Lucimara.. não esqueça o poeta é um fingidor.... quem te disse que sou que está falando????kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Beijos Lú e obrigado . kkkk

Alexandre Malosti disse...

Grande Márcio.... que demore cem anos.... mas que venha esse bem utópico como o do texto.. dai valerá a pena desprender de tempo, paciência com alguém... Abração

Meyre Lapido disse...

Adorei Alendrande

O amor simplesmente é...me inspirou até a fazer uma poesia chamada"Para entender o amor". grande abraço

Alexandre Malosti disse...

Não quero entender o amor.... mas já sei o qual eu quero, os quais eu já vivi... etc.. a cabeça do ser humano é doida Meyre , uma confusão so... risos.. Obrigado pelo comenta´rio.... e estou vendo surgir mais uma nova autora semanal aqui no Tangram.. Parabéns.. quero ler esse poema ai.. Beijos

Anônimo disse...

Que delíciaaa Lê, gostaria de ver você mais vezes neste momento "EXTASE DE AMOR"...preciso dar a mão a palmatória, porque quem ama, deixa o outro livre para voltar...se quiser!PARABÉNS, bjos.

Alexandre Malosti disse...

Obrigado Jacque.... quero isso em camiseta. kkk Beijos